Os princípios básicos que se devem aplicar na utilização prudente dosTourist_-_Cartoon_2 cartões de pagamento em Portugal são extensíveis ao estrangeiro. É, no entanto, preciso uma atenção redobrada.

1. Não perca o seu cartão de vista
"É a regra mais sagrada", avisa Paulo Raposo, director da MasterCard em Portugal. "É 'démodé' entregar o cartão. Com os terminais [de pagamento] móveis, não há razão para perder o cartão de vista", avisa. Quando o cartão desaparece atrás de um balcão de um estabelecimento comercial é mais fácil ser alvo de clonagem.


2. Use o código em vez da assinatura
O código PIN é mais um nível de segurança que o seu cartão bancário lhe concede, diz Paulo Raposo. Por isso, em vez de carregar duas vezes no botão verde, opte sempre por inserir o código nas suas compras no estrangeiro. No entanto, isso não significa que não precisa de assinar nas costas do seu cartão: é obrigatório que o faça para vencer uma eventual disputa.


3. Controle os recibos de compras
"Guarde uma cópia de todos os recibos de compras e compare com o seu extracto quando regressar", aconselha Sérgio Botelho, director da Visa Europe. Só assim terá alguma prova das operações que efectuou na sua viagem ao estrangeiro. Se lhe for possível, deve ainda "confirmar com frequência as transacções pendentes" através da consulta, via internet, da conta-cartão no sítio do seu banco, adverte Paulo Raposo, da MasterCard.


4. Comunique imediatamente a perda ou o roubo
Apenas o reporte rápido da perda ou do roubo do cartão pode impedir que se realiza qualquer transacção posterior ao acontecimento, alerta Sérgio Botelho, da Visa. Primeiro deve tentar contactar o seu banco e, em segundo recurso, a companhia do cartão. Pode ser útil "tirar uma fotocópia do cartão e passaporte" (guardado-a em local distinto) e "informar o seu banco emissor de que vai usar o seu cartão de pagamento no estrangeiro", conta Sérgio Botelho.

Fonte: Jornal de Negócios