Évora, o casco histórico de Évora, melhor dizendo, foi reconhecido pela UNESCO como Património da Humanidade em 1986.

O que rodeia Évora não é muito animador em termos do edificado, mas o centro muralhado da cidade é de uma beleza urbanística rara e comovente pelo casario tradicional que traça as ruelas da cidade.

Há também a parte monumental, desde a Praça do Giraldo, às várias igrejas e ao ex-líbris da cidade o Templo Romano, popularmente reconhecido por Templo de Diana.

A uma dezena de quilómetros encontra-se também o sítio megalítico dos Almendres, um conjunto de menires que data do milénio V a.C. e logo à entrada de Évora a casa e atelier do escultor João Cutileiro, onde a pedra é transformada em sucessivas obras de arte. 

Outro grande artista, este de gastronomia, é Domingos Canelas que recebe os visitantes no seu botequim onde ao balcão serve petiscos de chorar por mais: - espargos e cogumelos silvestres, queijo no forno com orégãos, torresmos do rissol, tordos fritos, lombo de porco preto, uma mostra ampla e fiel do património gastronómico alentejano. Botequim da Mouraria. Rua da Mouraria, 16 - A. Évora. Tel: 266746775.

Fonte: Visão