Capital: Lusaka

Cidades principais: Lusaka (982.362), Ndola (376.311), Kitwe (338.207), Kabwe (166.519), Chingola (162.954), Mufulira (152.944) (1990)

Idioma: inglês (oficial), línguas regionais (principais: nianja, bemba, tonga)

Religião: cristianismo 72% (protestantes 34,2%, católicos 26,2%, adeptos de religiões cristãs africanas 8,3%, outros cristãos 3,3%), crenças tradicionais 27%, islamismo 0,3%, outras 0,7% (1980)

Geografia
Localização: sul da África.
Hora local: + 5h.
Área: 752.614 km2.
Área de floresta: 314 mil km2 (1995).  

População
Total: 9,2 milhões (2000), sendo bembas 36,2%, nianjas 17,6%, tongas 15,1%, rotses 8,2%, mambuês 4,6%, tumbucas 4,6%, outros 13,7% (1980).

Política:
Forma de governo: República presidencialista.

Condições de segurança
Precárias. Regista-se um aumento da delinquência, com particular preferência pela comunidade estrangeira.
No centro (Cairo Road e mercados) deve evitar ostentar-se objectos de valor. Roubos de esticão e com navalha são frequentes. Deverá evitar-se a circulação nocturna. Nas zonas residenciais são comuns os assaltos a moradias e carros. Nas zonas rurais, têm-se registado ataques a fazendas isoladas.
O campismo e outras actividades ao ar livre devem ser praticadas apenas nas zonas para tal designadas e na observância estrita das regras de segurança. As estradas asfaltadas são seguras, com excepção das da fronteira Norte, com o ex-Zaire e a Oeste com Angola (ex: Vitoria Falls, Luangwa, Parque Nacional de Kafue, Lago de Kariba).

Convém viajar em grupo e em várias viaturas, especialmente quando se circula durante a noite ou em estradas de terra.
O caminho de ferro, tal como a rede de autocarros, deixam a desejar. Se circular de taxi, é aconselhável negociar previamente as tarifas. É preferível o aluguer de viaturas, com ou sem condutor.

Zonas de risco: fronteira com Angola, em especial no sentido Norte-Oeste.
Zonas de risco médio: locais isolados, zonas periféricas, principalmente junto ao Congo e Namíbia. A posse e tráfico de droga são severamente penalizados, desde 15 a 25 anos de trabalhos forçados, e todo o tipo de fármacos sem receita médica são considerados estupefacientes.

Contactos úteis:
Policia - Tel: 991

Regime de entrada e estada
É exigido visto em todas as circunstâncias. Este é concedido nas Embaixadas Zambianas ou Britânicas.

Condições climáticas
Tropical moderado. Chuvas: Outubro-Março.
O resto do ano é frio e seco com temperaturas nocturnas baixas.
Nível de Humidade: 75-80%.

Transportes
Aeroportos Internacionais: Lusaka, Livingstone e Ndola.

Cuidados de saúde
Rede Sanitária: A rede hospitalar é diminuta e de má qualidade, mesmo no sector privado.
As principais doenças endémicas são o paludismo e a tuberculose, sendo a SIDA uma crescente ameaça.
Outras doenças a ter em conta: tétano, tifo, hepatite, cólera, poliomielite, meningite e febre amarela. É recomendável levar em viagem antibióticos de largo espectro, visto que a sua aquisição no local é difícil. O cuidado com a água, em estado liquido ou sólido (gelo) é crucial. As saladas e a carne devem ser evitadas. Consulte o seu médico antes de viajar.

Seguros: É possível realizar uma apólice de seguro nos mesmos moldes do país de origem , mas o seu pagamento é por vezes demorado, pelo que é preferível recorrer a uma companhia estrangeira.

Moeda local e Sistema Bancário
Moeda local: Kwacha zambiano
Os bancos internacionais são eficientes. Há liberdade de câmbio. Os cartões de crédito são aceites nos hotéis, lojas e restaurantes de grande dimensão. Os cheques tem circulação limitada.

Comunicações
As ligações telefónicas são dispendiosas e difíceis de obter. O fax, telex e Internet funcionam razoavelmente. O telemóvel está bastante divulgado, podendo-se recorrer ao aluguer.

Notas:
Não existe representação diplomática portuguesa na Zâmbia, sendo os assuntos deste país acompanhados pela Embaixada de Portugal em Harare.

Fonte:  http://www.secomunidades.pt/